Blog | Silbeck
Sem categoria

Channel Manager – aumente as vendas do seu hotel com a internet

Publicado em

Channel Manager, Gestor ou Gerenciador Canais, trata-se de um software que lhe permite gerenciar as tarifas e disponibilidades das reservas, anunciadas em diferentes canais de venda (Ota’s), centralizando tudo em um só lugar.

Para quem quer aumentar as chances de venda, anunciando as acomodações em mais de um canal de venda online, o uso de um gerenciador de canais é indispensável. Assim se torna possível controlar todos os anúncios em uma só plataforma, evitando os riscos de overbooking*.

 

O que é overbooking? Overbooking na hotelaria, é uma expressão utilizada quando o meio de hospedagem recebe mais reservas do que poderia acomodar.

 

Como o Channel Manager funciona?

O Channel Manager funciona integrado a um software hoteleiro ou não. O mais indicado e o mais comum, é que haja essa integração. Assim além de você gerenciar as vendas, você também consegue manter um mapa de reservas organizado, de forma a encaixar as ocupações da melhor e mais lucrativa forma.

 

Leia também: Como posicionar o seu hotel no mercado?

 

Quando há integração com o PMS

A integração do Channel Manager com o seu Sistema de Gestão Hoteleira (PMS), é chamada de integração bidirecional. Ela recebe este nome pois opera em duas direções, com os canais de vendas e com seu PMS.

Após efetivar a integração do gestor de canais com seu sistema hoteleiro, e cadastrar corretamente as acomodações e tarifas nas ota’s de sua preferência, o Channel Manager irá funcionar como um centralizador de informações.

Como assim?

É Simples. Quando o cliente efetua uma reserva lá no canal de venda (no booking por exemplo), o gestor de canais irá captar esta informação e lançar a reserva diretamente no mapa de reservas do seu sistema.

O gestor também irá atualizar automaticamente esta disponibilidade nos demais canais que você anunciou, mandando uma informação de que esta acomodação não está mais disponível para venda.

Mas também pode acontecer de outra forma. Quando você efetua uma venda direta, venda balcão ou walkin, e você mesmo lança a reserva no mapa de reserva, o gestor igualmente capta a informação e ajusta a disponibilidade tirando o quarto do ar nos canais que estavam sendo anunciados.

Parece complexo, mas não é. Na prática tudo funciona de forma automática, e você não precisa se preocupar com nada.

Depois que faz a integração com seu PMS, e o cadastro das tarifas e locais, não têm segredo, o sistema funciona quase que por conta própria. Além disso, ao contratar o gestor de canais, um profissional responsável deverá te dar todas as direções sobre o seu devido funcionamento.

 

Quando não há integração com o PMS

Apesar de não ser o mais indicado também é possível ter um gestor de canais sem integração com PMS, estando conectado apenas com os canais de venda online.

Nesse caso, você pode gerenciar as reservas da mesma forma que foi citado acima, a única diferença, é que você não conseguirá organizar as disponibilidades em um mapa de reservas. O que lhe impossibilita de ter uma visão mais ampla da ocupação dos quartos.

 

Então é possível integrar o meu sistema de gestão hoteleira com esse gerenciador de canais?

Sim é possível, mas para isso o seu software hoteleiro precisa ter integração com algum gerenciador, caso contrário, você terá que pesquisar um novo PMS que lhe possibilite esta ação.

SB Hotel, já oferece integração com os Channel Manager da Omnibees, HSystem e Bela Viagem, cujo qual são integrados com mais de 300 canais de venda online.

Sem categoria

Como escolher um software para otimizar as vendas do seu hotel?

Publicado em

Decidir como escolher um software pode ser uma tarefa trabalhosa. Existem várias soluções disponíveis e nem sempre somos atendidos por um profissional que conhece a nossa realidade.

A primeira dica é que você não se concentre nas funcionalidades do sistema, mas parta das suas necessidades. Se você listar o que precisa, vai facilitar todo o processo. Além disso, vai evitar investir em uma solução cheia de funções maravilhosas que você não usa.

Mas não tente determinar como deve ser o sistema. Você deve partir dos seus problemas e deixar que o desenvolvedor do software lhe apresente uma solução. Quer entender melhor como fazer isso? Então continue a leitura do post!

Como encontrar um fornecedor?

O seu primeiro passo é encontrar uma empresa capaz de contribuir com uma solução. Não adianta negociar com alguém que conhece muito bem o sistema que oferece mas que não seja capaz de aplicar esse conhecimento para lhe apresentar uma solução.

As melhores empresas de software sabem que não resolvem todos os problemas de todas as empresas. Elas focam em um ou mais ramos de atividade e desenvolvem soluções específicas. Isso é ótimo! Essas empresas já têm experiência no atendimento de hotéis como o seu, falam a mesma língua que você e não precisam desenvolver do zero funções que todo hotel precisa.

Como escolher um software que otimize as vendas?

Agora podemos partir mais diretamente para o desenvolvimento do tema da nossa postagem. Para lhe ajudar a identificar suas necessidades e os problemas que precisa resolver, vamos listar algumas questões comuns na hotelaria.

Informações espalhadas e desorganizadas

É comum que as informações referentes às reservas e transações das OTAs estejam armazenadas nas diversas plataformas dos parceiros. Na hora de analisar e registrar os negócios que você tem com a Booking.com, Decolar, Expedia e outros canais, por exemplo, o responsável precisa entrar na extranet de cada uma dessas empresas.

Se for o seu caso, uma solução que automatize o fluxo de reservas, organize e consolide informações desses canais seria de grande ajuda para o seu hotel, não é mesmo?

O mesmo problema costuma ocorrer com informações das operadoras e até internamente, quando não há possibilidade de integração com filiais e o site, impedindo que os clientes façam a reserva online, por exemplo.

Os hóspedes darão preferência a reservar pelo site se notarem uma tela intuitiva e prática. Se eles precisarem ligar ou enviar uma mensagem, provavelmente vão preferir outro hotel que disponibilize um site que facilite a vida deles.

Critérios e cálculos de tarifação

Outro problema comum é o tempo perdido com cálculos de tarifação. É preciso estar atento à taxa de ocupação, ao pagamento de comissões e negociações especiais com clientes corporativos, por exemplo.

Se for o seu caso, opte por um sistema que permita estabelecer critérios de cálculo e automatize todo o processo — pois ele vai lhe proporcionar um ganho inestimável.

Acesso a informações essenciais

A área de vendas precisa de diversas informações para a tomada de decisões estratégicas. Muitos hotéis têm dificuldade de levantar indicadores de performance, dados sobre a concorrência e tendências de mercado.

Grande parte dessas informações está no seu computador. Um sistema que seja capaz de organizá-las para você em relatórios fáceis de manusear vai facilitar a sua análise.

Leia também: B.I para hotéis

Controle do relacionamento com os hóspedes

A comunicação com os clientes, incluindo o uso das redes sociais para postagens e promoções, pode ser uma tarefa trabalhosa, mas esse é um trabalho importante para conseguir engajar os seus hóspedes, encantando cada um deles com uma atenção que supere suas expectativas.

O problema é que com tantas possibilidades de relacionamento proporcionadas pela tecnologia e sem recursos que trabalhem com a mesma velocidade, fica difícil manter um bom ritmo de publicações e interações.

Com esses exemplos você já sabe como escolher um software. Agora basta pensar em outras necessidades e problemas que você precisa resolver enquanto entra em contato com um fornecedor. Evite protelar essa decisão! Investir em uma solução adequada melhora sua produtividade e sua lucratividade. Você não quer deixar passar mais um dia sem obter ganhos que estão diante de você!

Você conhece o Sistema Hoteleiro SB Hotel? Feito para simplificar as tarefas do dia a dia dos gestores, conta com inúmeras funcionalidades. Clique para conhecer, saber mais sobre esta ferramenta!

Informações – Blog Omnibees

Sem categoria

B.I para hotéis

Publicado em

Ferramentas de Business Intelligence, ou simplesmente B.I., para hotéis tem sido cada vez mais utilizado por inúmeros motivos. Em grande parte, isso não é uma exclusividade do setor. Afinal, a quantidade de dados disponíveis na atualidade é imensa e cresce velozmente em qualquer área, sobretudo, no atual período de transformação digital.

Saber “garimpar” e transformar esse mundo de dados em informação útil é, cada vez mais, um requisito de sobrevivência. Mais especificamente no setor hoteleiro, podemos observar alguns ganhos pontuais em razão da necessidade de levantar variáveis importantes para prever o nível de ocupação, por exemplo.

Porém, mais do que tudo, o B.I. auxilia na tomada de decisões com base em dados, o que ao final do processo ajuda a melhorar a experiência do cliente e a identificar gargalos, atividades fundamentais para o sucesso da gestão hoteleira.

O que é B.I e como essa solução funciona para hotéis?

B.I. é a sigla para “Inteligência de Negócios” (Business Intelligence). Basicamente, trata-se de um conjunto de práticas e ferramentas que coletam, tratam e apresentam informações para embasar a tomada de decisão.

É um recurso que permite usar muitos dados que já estão disponíveis nos seus sistemas, mas que, necessariamente, não estão sendo aproveitados.

Quando eles são apresentados na forma de informações úteis, em um painel de fácil consulta, em tempo real e na medida certa, a decisão é tomada com maior segurança e de forma mais acertada.

Quais os ganhos principais do B.I para hotéis?

Com base nessa descrição já é possível deduzir alguns dos benefícios de utilizar o B.I. Obviamente, o principal é a melhora significativa do seu processo de decisão, que se torna mais embasado e profissional. Mas buscamos descrever outros igualmente influentes no setor hoteleiro. São eles:

Antever problemas

A gestão proativa é uma grande vantagem no setor. Nenhum hóspede está disposto a conviver com imprevistos. Esteja em viagem de lazer ou de negócios, ele espera não precisar se preocupar com detalhes da sua estada e, no mínimo, relaxar após uma viagem cansativa ou um dia de trabalho.

O Business Intelligence ajuda a antecipar problemas e evitá-los, analisando informações de dentro e de fora da empresa (relativas ao mercado), a fim de criar cenários atuais e futuros.

Identificar gargalos

O bom serviço é feito de detalhes. Mesmo um apartamento de alto luxo pode representar uma experiência negativa se o kit de higiene não for igualmente sofisticado. Pois cada falha na observação de um detalhe é resultado de um erro de procedimento.

O B.I. ajuda a identificar esses gargalos e corrigi-los e, nesse momento, vale fazer uma pausa para colocar uma observação.

Estamos focando nos resultados de atendimento, mas é importante lembrar que também existem gargalos e problemas que podem ser antecipados no financeiro, por exemplo. Ou seja, os benefícios são bastante amplos e com relação direta com a lucratividade.

Maior controle sobre o ROI do negócio

Além da evidente melhora na satisfação dos hóspedes com o aprimoramento constante dos serviços, o retorno sobre o seu investimento aumenta com o a utilização do B.I. Não apenas do aspecto da rentabilidade, ou seja, do retorno sobre todos os investimentos de capital, imobiliários e em equipamentos feitos no seu hotel.

Também ocorrem ganhos pontuais com cada decisão tomada, seja nos seus investimentos com divulgação, seja com as compras semanais, seja com eventuais ampliações ou modernizações.

Qual a importância da experiência de implantação?

Contudo, a utilização do B.I pode ser uma tarefa complexa sem a experiência necessária. Em primeiro lugar, é fundamental usar de um bom método de implantação, que funciona muito melhor quando elaborado por quem conhece do assunto.

Além disso, as iniciativas de utilização de B.I para hotéis funcionam melhor quando começam focadas nas prioridades e onde podem proporcionar mais lucro e benefícios — algo que os especialistas já identificaram em outras implantações. Ao mesmo tempo, cada caso é um caso. Não é mesmo?

O Sb Hotel oferece a você a melhor forma de obter uma gestão rápida, visual, e acima de tudo, facilitando as tomadas de decisões. Otimize o seu tempo nas operações e estratégia com o B.I, e tenha gestão na palma da sua mão. Conheça mais sobre o BI ou entre em contato pelo fone 48 3658 7272.

Hotelaria

7 dicas para quem quer arrendar um hotel ou pousada, mas não sabe por onde começar

Publicado em

Muitos potenciais empreendedores hoteleiros optam pelo arrendamento comercial com vários objetivos: conhecer e se adaptar ao meio hoteleiro e seguir como arrendatários, ter uma experiência prévia a comprar ou construir algo, ou como real potencialidade operacional e financeira para sua sobrevivência.

Estima-se que existam, atualmente, no Brasil mais de 3 mil meios de hospedagem a venda, muitos deles com opção de arrendamento, além de uma enorme quantidade de empreendimentos ofertados exclusivamente para arrendamento.

Neste artigo vou apontar uma série de cuidados que penso devem ser devidamente considerados para que arrendatários não caiam em “roubadas”, muito frequentes no mercado. Acompanhe abaixo!

Identifique o motivo ao qual o arrendante está negociando o empreendimento

Saiba também se é o primeiro arrendamento (pode ser um subarrendamento e neste caso veja se o contrato inicial contempla esta possibilidade), quanto tempo ficou à frente do negócio, que perfil empreendedor tem (isto será importante para definir o modelo de gestão a adotar).

Identifique dados operacionais e financeiros

Via de regra, os pequenos empreendimentos têm estes dados de maneira bastante informal – ocupação dos últimos anos, tarifários, diárias médias, permanências médias, custos, despesas, receitas, percentuais de tributação, perfis de hóspedes, parceiros comerciais (OTAs, agências receptivas e emissivas, etc.), número e perfil de funcionários, fornecedores, etc.

Dica: não peça todas estas informações de uma vez só, solicite em duas ou três etapas se não, ou vão se assustar e não dar informação nenhuma, ou vão “chutar” dados (muito mais comum do que você pode imaginar).

Busque o auxílio de um engenheiro para vistoriar o local

Caso tenha conseguido todas as informações ou ainda mesmo parte delas, peça que um engenheiro, ou alguém experiente em construções, avalie o empreendimento – tubulações, madeiramentos, esquadrias, rachaduras, umidades excessivas, barulhos, etc. Caso estas situações apareçam chame o arrendante e negocie com ele as correções que devem ser feitas, quem vai pagar o que, ou uma carência de alguns meses para que você faça as correções que seriam de responsabilidade dele.

Os valores praticados

Trata, certamente, da questão mais delicada – o que tenho visto quando dou assessoria a arrendatários é que os proprietários pedem valores absurdos.
Muitas vezes, a melhor lucratividade que tiveram em anos e que, dificilmente em função da grande oferta, será obtida novamente. Muitos também pedem “joias” como suposta garantia pelos bens que estão deixando e, algumas vezes, o pagamento do primeiro ano antecipado.

O arrendamento comercial não é locação de uma casa ou apartamento para o verão no litoral ou inverno na serra. No valor do arrendamento mensal deverão estar inclusos os itens que permanecem nesta locação comercial e que deverão ser entregues na mesma situação no final do contrato ou quando este for terminado – para tanto é fundamental um inventário muito bem detalhado de tudo que fica, com a situação de equipamentos, utensílios, itens de decoração, instalações, etc. preferencialmente com fotos.

Dados, vistorias, negociação, prazos acordados…

É hora de se fazer um bom contrato — não pegue contratos de internet, nem de um contador amigo seu, a menos que tenha boa experiência na área. Procure contratar um advogado ou um consultor para lhe assessorar, não é tão caro quanto você pode pensar e vai prever situações importantes como:

  • Opções de compra;
  • Cláusulas de cancelamento de parte e parte;
  • Descontos para antecipação de pagamento;
  • Quem deverá pagar eventuais consertos e melhorias que devem ser feitas ao longo do período de arrendamento;
  • Visitas de potenciais interessados, caso o empreendimento continue à venda;
  • Dentre outros.

Contrato assinado é a hora da transição

Transição que, igualmente, deverá estar prevista em contrato.
É importante que o arrendante fique com você no empreendimento durante alguns dias, uma semana talvez, ainda mais se você não tiver experiência na área, para lhe dar instruções sobre uso de sistema, fornecedores, apresentar contatos comerciais, falar sobre comissionamentos, faturamentos e outros detalhes, além de fazer uma reunião com colaboradores.

Neste ponto vale um adendo: é importante que o proprietário demita todos os colaboradores e você os recontrate com CNPJ próprio. Em hipótese alguma assuma um CNPJ de alguém, mesmo lhe apresentando certidões atualizadas, pois você não o(a) conhece.

Tudo pronto!

É hora de arregaçar as mangas e trabalhar muito. Gerenciar hotéis e pousadas com toda esta oferta talvez nunca tenha sido uma tarefa tão difícil, por conta do grande aumento dos meios de hospedagem, flutuações tarifárias e queda de demanda, mas se você optou pelo arrendamento, estudou as opções de empreendimentos, o mercado, etc., suas chances de sucesso são interessantes.